A Mesquita Azul
A Mesquita Azul
press to zoom
Minarete
Minarete
press to zoom
No interior da Hagia Sophia
No interior da Hagia Sophia
press to zoom
Nave principal da Hagia Sophia
Nave principal da Hagia Sophia
press to zoom
No interior da Mesquita Azul
No interior da Mesquita Azul
press to zoom
Mosaico Bizantino
Mosaico Bizantino
press to zoom
obelisco no Hippodrome
obelisco no Hippodrome
press to zoom
tulipas turcas
tulipas turcas
press to zoom
Grafites na avenida Istiklal
Grafites na avenida Istiklal
press to zoom
Romãs
Romãs
press to zoom
Vendedor de Castanhas em Istiklal
Vendedor de Castanhas em Istiklal
press to zoom
Café Turco
Café Turco
press to zoom
Spice Bazaar
Spice Bazaar
press to zoom
Torre Galata a noite
Torre Galata a noite
press to zoom
horizonte de Istambul
horizonte de Istambul
press to zoom

Istambul

Quando cheguei pela primeira vez a Istambul, senti saudades por antecipação. Para quem chega, a vista da cidade, evoca a certeza de não ser possível, em uma única vida, conhecer todas as suas histórias, sabores e segredos. No horizonte de Istambul se vê, por entre as dezenas de torres geminadas das lajes convexas das mesquitas, a mais moderna urbanização em harmonia com a monumental arquitetura de antigos impérios - mais de dois mil anos de urbanização em ambas as margens do estreito de Bósforo. Ali, onde o mediterrâneo encontra o mar negro, uma ponte liga o oriente ao ocidente, e a Europa e a Ásia estão a uma estação de metrô de distância.

 

A impressão que se tem ao visitar Istambul é de que a cultura mulçumana muito contribuiu para a criação de um espaço urbano ordenado e mais humano. Em praticamente todos os quarteirões, existe alguma mesquita, e sempre ao seu lado, banheiros públicos limpos e bebedouros gratuitos acessíveis a qualquer pedestre. Outro costume interessante é o de não concentrar os túmulos dos mortos em grandes cemitérios, e sim em construir pequenos jardins arborizados por toda cidade com os mausoléus e memoriais próximos de onde aquele ou aquela viveram. Assim a cidade respira com frescor as lembranças de sua história milenar.

 

Bem antes de ser capital do império romano e se chamar Constantinopla, Istambul foi Byzantium, cidade fundada pelos gregos nos anos 600 antes de cristo. Sobre suas fundações mais antigas, está hoje seu ponto mais vibrante. O distrito de Beyoglu, que apesar de estar na parte asiática da cidade, é o maior símbolo da ocidentalização de Istambul. Marco da presença europeia e construída no ponto mais alto da cidade por mercadores Genoveses do século XII, a famosa torre Gálata ainda mantêm ao seu redor o mesmo casario medieval, mas que hoje é ocupado por uma miscelânea de área residencial e estabelecimentos comerciais dos mais diversos. Dalí, descendo a colina à pé ou de bonde, chega-se ao centro nervoso de Beyoglu, a avenida Istiklal, onde estão as mais elegantes boutiques, galerias de arte, livrarias, casas de chá e lojas de doces. A boemia e vida noturna em Istiklal são impressionantes. Não importa o dia da semana ou horário da noite, você sempre irá encontrar a avenida movimentada e o comércio em atividade ininterrupta. A Turquia, apesar de ser um estado laico, mantém ainda forte sua tradição islâmica. Interessante notar a face mais liberal da cultura muçulmana aqui, onde jovens mulçumanas de véu ou mesmo de burca compram suas lingeries em lojas de grife, e salões de beleza são quase todos voltados para o público masculino. Istambul tem sido ao longo dos últimos anos um dos maiores focos das transformações sociais e culturais do mundo árabe. A Praça Taksim que fica no final da Avenida Istiklal foi palco recente de um grande confronto entre as forças do estado e a sociedade civil, sobre tudo entre os jovens e a polícia. Com a notícia de que a área verde da Praça Taksim seria derrubada e se tornaria um shopping, a população ocupou a praça. Meses de conflito se passaram até que os manifestantes tivesse a garantia de que o local iria continuar sendo um espaço público. As marcas deste período ainda hoje estão nos grafites e cartazes de protesto nos muros e paredes de Beyoglu.

 

Apesar de toda a agitação e energias de transformação, Istambul possui uma forte atmosfera de estabilidade e permanência. Essa sensação de eternidade nas coisas pode ser experimentada do outro lado da ribeira do Chifre de Ouro, que divide a cidade em duas. Atravessando de carro, barca ou de metrô, o visitante chega à parte ocidental, Sultanahmet, como é chamado o distrito antigo. Nele está localizado o antigo palácio do Sultão Ahmet e seus jardins magníficos, onde nascem originalmente as tulipas que um dia no passado foram exportadas para a Holanda. Ali ao lado está também a gigantesca abóboda da Mesquita Azul e suas seis torres de oração. Entretanto, o que mais atrai o olhar ali é sem dúvida o incrível engenho da arquitetura conhecido como Hagia Sophia. Construída pelos cristãos ordotoxos durante o período bizantino para ser uma "máquina de conversão" na qual o impacto visual e arquitetônico de quem ali entrasse fosse tamanho, que desta forma fizesse quem fosse pagão converter-se em crente em uma única visita ao seu interior. O projeto da catedral nunca chegou ao fim, devido aos constantes conflitos e guerras na região, entretanto Hagia Sophia sempre sendo preservada. De catedral cristã passou a ser mesquita, para depois voltar a ser catedral e mesquita novamente. Hoje em dia, Aya Sofya, como é chamada pelos turcos tornou-se um museu, onde toda sua história é recontada a cada nova camada, de tinta e ladrilho, descoberta de suas paredes.

 

Mesmo uma vida inteira vivendo na cidade não seria o suficiente para descobrir todos seus mistérios e encantos. Uma pequena prova disso está no caos caleidoscópico dos mercados populares de Istambul – neles a cidade mostra toda sua diversidade. Nas centenas de ruas, passagens,túneis e galerias que compões os complexos comerciais conhecidos como Grand Bazaar e Spice Bazaar, localizados também no distrito de Sultanahamet, o visitante pode ter a certeza de que vai se surpreender com algo que nunca viu ou nunca imaginou existir. Ali o comercio é algo sagrado, passado de geração pra geração. Os vendedores tem um grau de astúcia tamanha, que são capazes de adivinhar a nacionalidade de quem entra em suas lojas apenas observado o comportamento do cliente. Além de sábios, são também muito espirituosos e não perdem uma piada. Certa vez entrei em uma loja apenas para admirar os produtos e tirar algumas fotos. Quando o vendedor apareceu, eu já na defensiva, tentando me esquivar da abordagem disse que estava ali "só vendo e satisfeito em admirar' no que ele me respondeu prontamente: ´tudo bem relaxa, eu também só estou aqui também admirando e tentando te vender alguma coisa'”.

                                                                                        |Pedro Kiua|

(Originalmente publicado no jornal Voz da Serra, Nova Friburgo - 16/01/2015)